Boletim via e-mail

Levamos a sério as normas da antispam.br e garantimos que o seu e-mail será utilizado exclusivamente para as mensagens deste site.

Mensagem do pároco › 15/05/2018

O cristão leigo na sociedade e na igreja

ValdecirO ano de 2018 é dedicado aos leigos. O Papa Francisco lembrou que “A imensa maioria do povo de Deus é constituída por leigos. A seu serviço está uma minoria: os ministros ordenados. Cresceu a consciência da identidade e da missão dos leigos na Igreja” (EG, n. 102). Ao instituir o ano do laicato, cremos que o desafio ou desejo primordial de toda a Igreja é despertar a consciência de tantos leigos e leigas de sua missão insubstituível de ser “sal da terra e luz do mundo (Mt 5,13-14).

O Papa Paulo VI lembrava sobre a missão do leigo: “A sua primeira e imediata tarefa não é a instituição e o desenvolvimento da comunidade eclesial – esse é o papel específico dos pastores – mas sim (…) o vasto e complicado mundo da política, da realidade social e da economia, como também o da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos mass media e, ainda, outras realidades abertas à evangelização, como sejam o amor, a família, a educação das crianças e dos adolescentes, o trabalho profissional e o sofrimento” (citado no doc. 105, CNBB, p. 17).  O primeiro campo do leigo impregnado do Evangelho, portanto, como o próprio documento afirma, é o mundo. O leigo deve estar no meio do mundo à frente de tarefas variadas da ordem temporal (cf. pg. 35).

Estes pensamentos realçam a importância do leigo ser sujeito na Igreja e na sociedade. Quem sabe, com esse ano do laicato, cada vez mais os cristãos se convencerão de que a vivência da fé no mundo é a continuidade, o prolongamento da liturgia celebrada dentro dos templos. A sociedade humana para ser construída, precisa de leigos conscientes de sua missão e convictos de sua própria responsabilidade na construção do Reino de Deus.

Que cada cristão e cada paroquiano seja uma “célula viva” do corpo místico de Cristo. Que todos trabalhemos na unidade, respeitado as diversidades, os ritmos e necessidades de cada um. Que nosso trabalho contribua para a edificação de uma nova sociedade, onde caibam todos, com justiça, amor e paz.

Frei Valdecir Schwambach, ofm