Boletim via e-mail

Levamos a sério as normas da antispam.br e garantimos que o seu e-mail será utilizado exclusivamente para as mensagens deste site.

Quarta-feira de cinzas

Quarta-feira-cinzas-268x300Da Quarta-feira de Cinzas até a Missa da Ceia do Senhor é o tempo para preparar a celebração da Páscoa.

Neste dia, inauguramos a Quaresma: 40 dias de preparação para a Páscoa. E como inauguramos? Recebendo cinza sobre nossas cabeças. Cinza evoca aniquilamento, destruição, humilhação, dor, morte, luto, caducidade. “Virou cinza”, dizemos nós. Simboliza também humildade e penitência. Mas, por que usamos cinzas? Porque de fato somos pó!… Porém, não reduzidos a pó! Jesus ressuscitado veio fazer brotar vida de nossas cinzas. É só aceitá-lo, ter fé nele, converter-se e fazer penitência, isto é, aperfeiçoar nosso viver com Deus, com os irmãos e com a natureza toda. Por isso que, ao recebermos as cinzas, ouvimos do ministro as palavras: “Lembra-te que és pó, e ao pó hás de voltar”; ou então: “Convertei-vos, e crede no Evangelho”. Frei José Ariovaldo da Silva, OFM.

 4ª-feira de Cinzas até a Missa da Ceia do Senhor. É o tempo para preparar a celebração da Páscoa. “Tanto na liturgia quanto na catequese litúrgica esclareça-se melhor a dupla índole do tempo quaresmal que, principalmente pela lembrança ou preparação do Batismo e pela penitência, fazendo os fiéis ouvirem com mais freqüência a palavra de Deus e entregarem-se à oração, os dispõe à celebração do mistério pascal” (SC 109). – See more at: http://www.franciscanos.org.br/?p=32952#sthash.gHsxF77v.dpuf
Da 4ª-feira de Cinzas até a Missa da Ceia do Senhor. É o tempo para preparar a celebração da Páscoa. “Tanto na liturgia quanto na catequese litúrgica esclareça-se melhor a dupla índole do tempo quaresmal que, principalmente pela lembrança ou preparação do Batismo e pela penitência, fazendo os fiéis ouvirem com mais freqüência a palavra de Deus e entregarem-se à oração, os dispõe à celebração do mistério pascal” (SC 109). – See more at: http://www.franciscanos.org.br/?p=32952#sthash.gHsxF77v.dpuf

Missas na quarta-feira de cinzas: às 7h00, 12h00 e 18h00

 

 

Quarenta dias antes da Páscoa, a Igreja abre solenemente o tempo de penitência, chamado Quaresma, em preparação para a celebração da Páscoa. É a Quarta-feira de Cinzas, entre nós bastante prejudicada pelo carnaval.

Neste dia, após a Liturgia da Palavra, em que se proclama o trecho do Evangelho em que Cristo recomenda a oração, o jejum e a esmola como exercícios de conversão (cf. Mt 6,1-18), realiza-se o rito da imposição das cinzas. Elas são sinal de penitência, no sentido de conversão. A conversão consiste, sobretudo, no reconhecimento de nossa condição de criaturas limitadas, mortais e pecadoras. No gesto de imposição das cinzas sobre a cabeça das pessoas, o sacerdote ou o ministro diz: “Convertei-vos e crede no Evangelho”. A conversão consiste em crer no Evangelho. Crer é aderir a ele, viver segundo os ensinamentos do Senhor Jesus. Pode-se usar também a fórmula tradicional: “Lembra-te que és pó e ao pó hás de voltar”. Numa das orações de bênção das cinzas se diz: “Reconhecendo que somos pó e que ao pó voltaremos, consigamos, pela observância da Quaresma, obter o perdão dos pecados e viver uma vida nova, à semelhança do Cristo ressuscitado”.

A origem das cinzas usadas tem seu significado. Elas são preparadas pela queima de palmas usadas na procissão de Ramos do ano anterior. Lembram, portanto, o Cristo vitorioso sobre a morte. A palma é símbolo de vitória e de triunfo. Assim, se os cristãos aceitam reconhecer sua condição de criaturas mortais, e transformar-se em pó, ou seja, passar pela experiência da morte, a exemplo de Cristo, pela renúncia de si mesmos, participarão também da vida que ressurge das cinzas.

Aqui vale a pena lembrar uma lenda egípcia. Fênix era uma ave fabulosa que durava muitos séculos e, queimada, renascia das próprias cinzas. Foi fácil perceber que ela é símbolo da ressurreição de Cristo e dos que aceitam viver na atitude de Cristo.

Certamente não é fácil aceitar ser cinza. Contudo, a fé em Jesus Cristo ressuscitado faz com que a vida renasça das cinzas. Jesus Cristo faz brotar a vida, onde o ser humano reconhece sua condição de criatura necessitada da ação de Deus. É entrar na atitude pascal.

Esta páscoa se vive na conversão, através dos exercícios da oração, do jejum e da esmola.
A imposição das cinzas não constitui um mero rito a ser repetido a cada ano. É celebração da vocação do ser humano, chamado à imortalidade feliz, contanto que realize o mistério pascal de morte e vida em sua vida fraterna.

Texto de “Viver o Ano Litúrgico – Reflexões para os domingos e solenidades”, de Frei Alberto Beckhauser, Editora Vozes.

– See more at: http://www.franciscanos.org.br/?p=32944#sthash.pDPCj77p.dpuf