Boletim via e-mail

Levamos a sério as normas da antispam.br e garantimos que o seu e-mail será utilizado exclusivamente para as mensagens deste site.

Sem amor, a solidariedade é vã

941303_486933788081340_50122714_nMais de 80 mil pessoas lotaram a Praça São Pedro na manhã desta quarta-feira para a Audiência Geral com o Papa Francisco.

Às 9h45, o Papa já estava na Praça para receber e retribuir o carinho dos fiéis. Por cerca de meia-hora, a bordo do seu jipe, Francisco abençoou a multidão, beijou as crianças e conversou com os inúmeros grupos.

Prosseguindo sua reflexão da semana passada, quando falou da “comunhão dos santos” que professamos no Credo, hoje aprofundou outro aspecto desta realidade, isto é, a comunhão nas coisas santas, ou seja, a comunhão dos bens espirituais nos sacramentos, nos carismas e na caridade.

A comunhão entre os cristãos cresce mediante a participação aos bens espirituais, explicou o Pontífice.

Na comunhão dos Sacramentos, há uma comunhão profunda e efetiva entre nós, porque neles encontramos Cristo e através Dele, os nossos irmãos.

Na confissão, por exemplo, “não devemos ter medo do padre, porque é Jesus que encontramos no Sacramento”, disse o Papa. Assim, cada encontro com Cristo é um convite a ir ao encontro dos outros, levando esta salvação que se pode ver, tocar e receber; e que é crível porque é amor. Deste modo, os Sacramentos nos levam a ser missionários, a levar o Evangelho a cada ambiente, inclusive àqueles mais hostis.

Depois, há os carismas: são predisposições, inspirações e impulsos interiores que surgem na consciência e na experiência das pessoas para ser postos ao serviço da comunidade. “Deve-se duvidar dos carismas que servem para afirmar a si mesmos”, advertiu o Santo Padre, pois não são dados em benefício de quem os recebe, mas para o bem de todo o Povo de Deus. “Todos somos chamados a respeitar os carismas em nós e nos outros, como nos recomendou São Paulo: ‘Não apagueis o Espírito’.”

Finalmente, a comunhão na caridade: não uma “caridadezinha” para descargo de consciência, mas uma comunhão que nos leva a entrar de tal maneira nas alegrias e nas dores alheias que assumimos sinceramente como nossas.

Sem o amor, de fato, inclusive os dons mais extraordinários são vãos, enquanto o menor dos nossos gestos de amor tem bons efeitos para todos! “Com frequência somos muito áridos, indiferentes, distantes e ao invés de transmitir fraternidade, transmitidos mal humor, frieza e egoísmo. Abramo-nos à comunhão com Jesus nos sacramentos, nos carismas e na caridade, para vivermos de maneira digna da nossa vocação cristã.”

No final da catequese, o Papa emocionou a Praça ao pedir um ato de caridade (tranquilizando os fiéis de que não se tratava de uma coleta) e rezar por uma menina de um ano e meio, muito doente, que Francisco conheceu momentos antes da Audiência.

Saudando os grupos presentes na Praça, o Pontífice se dirigiu aos fiéis de língua portuguesa cumprimentando em modo especial os peregrinos de Bauru (SP) e de São Bernardo do Campo (SP).

Por fim, recordou que este mês de novembro é dedicado à memória e à oração pelos defuntos – uma oportunidade para considerar de maneira mais aprofundada o significado da existência terrena e o valor da vida eterna. “Que esses dias sejam para todos um estímulo a compreender que a vida tem valor se vivida para amar a Deus e o próximo.”

Fonte: site da Rádio Vaticano



Os comentários estão desativados.