Paróquia São Francisco de Assis

Rua Borges Lagoa, 1209 - Vila Clementino - São Paulo - SP

(11) 5576-7960

paroquiavila@franciscanos.org.br

A caminho da Páscoa

crossO nosso caminhar do dia a dia é sempre ocasião de descontração, de lazer, de descobertas. Além de ser exercício. Ver coisas. Descobrir coisas. Interpretar coisas. E ver como isso tudo pode influir em nossa vida, caminhar é também descobrir caminhos.    Há, porém, em nossa vida, um tipo diferente de caminhar. É o caminhar com nossa mente, caminhar com nossa inteligência e sentimentos. Caminhar com nossa capacidade de tomar decisões. Decidir os caminhos a orientar a vida. Vamos caminhar para a Páscoa!

O que encontramos neste caminhar para a Páscoa? Para nós, cristãos católicos, este caminhar para a Páscoa é uma grande oportunidade de aprendizagem. Este aprender, para quem quer ir além da superfície, sempre trará aprimoramentos. Há os que se satisfazem com apenas saber ler e escrever. Há os que buscam o mestrado… Neste caminhar para a Páscoa, há temas como: Quaresma, Conversão, Meditação, Esmola, Jejum, Penitência. Há o tema da Campanha da Fraternidade. Há temas como: Semana Santa, Via Sacra, Quinta-feira Santa, Sexta-feira Santa, Sábado Santo. Há a Páscoa e na Páscoa, a Ressureição de Jesus. E ainda, todas as paróquias falam da Penitência, enquanto reconhecimento dos erros da vida, enquanto disposição para corrigi-los, em busca do perdão dos pecados. A Confissão Sacramental quer seja, individual, quer comunitária.

Como se pode ver, é uma longa caminhada. São temas, os mais diversos, para a nossa caminhada para a Páscoa. Para nossa aprendizagem. Para acertarmos o rumo de nossa caminhada. O rumo de nossas vidas. Assim nossas vidas tomam sentido. Dar-nos-ão felicidade. Quaresma, basicamente quarenta dias. Jesus, no deserto, jejuou por quarenta dias. E, sentindo fome, foi tentado pelo diabo. E nas tentações de Jesus, nos vem deste Jesus respostas sábias para todos: “Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus”, “Não tentarás o Senhor, teu Deus”, “Adorarás o Senhor teu Deus e somente a ele prestarás culto”!

Já aqui temos uma proposta excelente a nos orientar nesta caminhada para a Páscoa. E quanto temos a aprender nestes ensinamentos de Jesus, o Mestre! Quaresma fala de conversão. A palavra conversão nos leva a uma palavra grega: “metânoia”, que basicamente significa purificação, limpeza de mente. E a nossa mente está realmente limpa, quando nos voltamos para Deus. Este voltar-se para Deus é, de fato, conversão. E fica a pergunta: O quanto é que o ser humano pode voltar-se para Deus? Há um limite? Se quisermos responder, é que de fato não há limites! É preciso tentar e tentar sempre mais!

O assunto é também Meditação. Meditar e buscar o âmago, o sentido mais profundo das coisas. O sentido mais profundo dos ensinamentos do Mestre. Estamos a caminho da Páscoa. E nos deparamos com palavras como: esmola, jejum e penitência. Palavras insistentes nesse caminho. Um modo entre outros, de dar sentido a essas três palavras é o seguinte: elas já têm sentido em especial quando se transformam em caridade. Tudo do que nos abstemos em favor dos mais necessitados.

Este caminhar para a Páscoa sempre nos traz a Campanha da Fraternidade. O que pensar e como reagir diante do assunto: Tráfico humano? E São Paulo, escrevendo aos Gálatas, tem para nós a frase: “É para a liberdade que Cristo nos libertou”. A Campanha da Fraternidade é um grande instrumento para desenvolver um espírito quaresmal de conversão, renovação interior e ação comunitária, como verdadeira penitência que Deus quer de nós em preparação para a Páscoa.

Semana Santa: por que temos uma semana que chamamos de Santa?  Semana Santa é mais uma promessa de belíssima visão, nesta caminhada para a páscoa. Muito a aprender sobre o seu significado! Alguém, que junto com Pai Eterno tudo criou, se fez um de nós, expressando de modo infinito seu amor pela raça humana. Para os que têm fé, só faz sentido, nesta Semana Santa unir-se, em amor, com plena presença, a este Ser Divino que vai aos extremos na sua acolhida amorosa e libertadora da raça humana.

Semana Santa: é o Divino Mestre que empreende este caminhar da Semana Santa. Ele traça o caminho sagrado. Isto é, ele faz a Via Sacra, o caminho sagrado. E neste caminhar, o Divino Mestre, vai ensinando a quem queira aprender, a riqueza de instruções para a nossa vida de mortais. Mortais, sim, mas que ao final da Via Sacra, encontrarão o segredo para a vitória contra a morte. A morte e a vida travam um duelo cruel. E a vida vence a morte. O divino Mestre rompe os elos da morte. Para si, e para todos aqueles com Ele fizeram o caminho sagrado, a Via Sacra. Caminho da Semana Santa.

Neste caminhar de Semana Santa, temos a culminância da caminhada. É o tríduo Sacro que inclui a Quinta-feira Santa, a Sexta-feira Santa e o Sábado Santo. Na Quinta-feira Santa o destaque é a Missa do Lava Pés com a instituição da Eucaristia, a Santa Missa onde nos é dado o Pão dos Anjos. É o Divino Mestre quem se faz nosso alimento, alimento de força única, para mais do que alimento corporal, é alimento de vida, é uma união com o Divino Mestre. A Sexta-feira Santa é celebrada de muitas maneiras, Brasil a fora. Há grandes procissões, há o longo sermão da descida de Jesus da Cruz, tudo muito significativo. Mas veja bem: o ponto mais expressivo da Sexta Feira Santa é a Liturgia Vespertina. Aproximadamente às 15 horas, que corresponde a hora da morte na Cruz, do Divino Mestre. Celebração relativamente singela, mas da maior expressão. Na hora em que o Divino Mestre dá a sua vida em busca da ressureição. Esta celebração da Liturgia Vespertina da Sexta Feira Santa, além de ser o ponto essencial do dia, inclui: as Preces Universais da Igreja, a Adoração da Santa Cruz e distribuição da Comunhão, que neste dia, só é permitida nesta hora.

Cirio Pascal_FrMarioSábado Santo. É um dia de luto, imaginamos estar fazendo com Maria o velório de Jesus. Guardando, porém, uma grande expectativa. O que virá a seguir? E entrarmos a noite na Celebração da Vigília Pascal. De todas as celebrações da Semana Santa é a mais significativa, a mais solene e completa. Na caminhada para a Páscoa, é a celebração que mais empenho merece para dar nossa presença. Descortina um mundo novo. É plena de ensinamentos. Inicia-se com a bênção do fogo, de onde se extrai a chama, que vai acender o Círio Pascal. Luz de Cristo iluminando a vida de todos os mortais. Há o Solene Precônio Pascal, um canto que demonstra a força e a realização do Divino Mestre. Há bênção da Água Batismal, que nos leva à filiação divina. Há a recitação da ladainha de todos os Santos, dos que já usufruem da glória celeste. Há o canto do Aleluia entoado com toda a vibração da vida, repetidas vezes. E assim vamos dar início à celebração da santa Missa, solene e vibrante de alegria. Por quê? Porque o Senhor ressuscitou. Ele venceu a morte e esta vitória do divino mestre, em seu amor a todos os mortais, dá a todos os mortais, a força e a graça de também se tornarem vitoriosos sobre a morte. Isto nos lembra a nossa profissão de fé: “Creio na ressureição da carne e na vida eterna.”

Nossa caminhada para a Páscoa está completa. Perspectiva de belezas indescritíveis se descortinaram aos nossos olhos de fé, pois o Divino Mestre ainda nos diz: “Eu vim para que todos tenham vida, e vida em plenitude”.

Fr. Euclydes Francisco Pezzamiglio – Vigário Paroquial 

X