Paróquia São Francisco de Assis

Rua Borges Lagoa, 1209 - Vila Clementino - São Paulo - SP

(11) 5576-7960

paroquiavila@franciscanos.org.br

Artigos e reflexões › 12/06/2013

Papa Francisco: “Aprender a lei de amor para superar guerras, divisões e egoísmos”

Papa_1

Cidade do Vaticano (RV) – O sol forte e a alta temperatura na Praça S. Pedro não desencorajaram os fiéis, peregrinos e famílias que lotaram a Praça S. Pedro para a Audiência Geral com o Papa Francisco.

Após saudar a multidão, o Pontífice dedicou sua catequese ao “Povo de Deus” – um dos termos com os quais o Concílio Vaticano II definiu a Igreja.

Esta expressão, explicou o Papa, significa antes de tudo que Deus não pertence a nenhum povo: é Ele que nos chama, nos convoca e nos convida a fazer parte do seu povo. Jesus não diz aos Apóstolos e a nós de formar um grupo exclusivo, de elite, mas diz: “Ide e fazei com que todas as nações se tornem discípulos”.

Francisco então se dirigiu a quem se sente distante de Deus e da Igreja, a quem desconfia ou é indiferente, a quem acredita que é tarde para mudar, dizendo: “O Senhor chama também você a fazer parte do seu povo e o faz com grande respeito e amor!

O Batismo é a “porta de entrada” para se tornar membro deste povo, cuja lei é a lei do amor – amor a Deus e a amor ao próximo.

Um amor, porém, que não é um sentimentalismo estéril ou algo vago, mas é reconhecer Deus como único Senhor da vida e, ao mesmo tempo, acolher o outro como verdadeiro irmão, superando divisões, rivalidades, incompreensões, egoísmos.

Essas duas coisas caminham juntas, disse o Papa, acrescentando que o nosso caminho ainda é longo para viver concretamente esta nova lei: “Quantas guerras, inclusive entre cristãos. Como isso pode acontecer? No nosso bairro, no trabalho, na família, quantas guerras internas por inveja, ciúme. Peçamos ao Senhor que nos faça entender esta lei do amor. Quanto é belo amarmo-nos como verdadeiros irmãos”. E fez um pacto com os presentes:

“Façamos uma coisa hoje. Talvez todos nós temos simpatias e antipatias. Talvez muitos de nós estamos bravos com alguém. Ao menos digamos ao Senhor: ‘Eu estou bravo, mas rezo por esta pessoa. Rezar pela pessoa com a qual estamos bravos é um belo passo nesta lei do amor. Vamos fazer isso? Mas o façamos hoje!”

A missão do Povo de Deus é levar ao mundo a esperança e a salvação de Deus. “Ao nosso redor, basta abrir um jornal para ver a presença do mal, o diabo que age. Mas quero dizer em alta voz: Deus é mais forte!”, disse Francisco, pedindo que a multidão repetisse essa frase e acrescentando que podemos mudar a realidade marcada pelo mal se nós formos os primeiros a levar a luz do Evangelho. E deu como exemplo um estádio de futebol:

“Se num estádio, pensemos aqui em Roma no Olímpico ou no San Lorenzo, em Buenos Aires, numa noite escura uma pessoa acende uma luz, esta será apenas entrevista, mas se os mais de 70 mil expectadores acenderem cada um a própria luz, o estádio se ilumina. Façamos com que a nossa vida seja uma luz de Cristo; juntos levaremos a luz do Evangelho a toda a realidade.”

A finalidade deste povo é o Reino de Deus, a comunhão plena com o Senhor, onde viveremos a alegria do seu amor incomensurável. E então concluiu: “Que a Igreja seja lugar da misericórdia e da esperança de Deus, onde cada um possa se sentir acolhida, amada e encorajada a viver segundo a vida boa do Evangelho. Para isso, a Igreja deve estar de portas abertas, para que todos possam vir. E nós devemos sair por essas portas para anunciar o Evangelho”.

Após a catequese, o Papa saudou os fiéis oriundos de várias partes do mundo. Do Brasil, fez uma saudação especial aos grupos de Florianópolis e de Goiânia.

(BF)

Fonte: site da Rádio Vaticano

Acompanhe a catequese na íntegra:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje gostaria de concentrar-me brevemente sobre um dos termos com o qual o Concílio Vaticano II definiu a Igreja, aquele do “Povo de Deus” (cfr. Const. Dog. Lumen Gentium, 9; Catecismo da Igreja Católica, 782). E o faço com algumas perguntas, sobre as quais cada um poderá refletir.

1. O que significa dizer ser “Povo de Deus”? Antes de tudo quer dizer que Deus não pertence propriamente a algum povo; porque Ele nos chama, convoca-nos, convida-nos a fazer parte do seu povo, e este convite é dirigido a todos, sem distinção, porque a misericórdia de Deus “quer a salvação para todos” (1 Tm 2, 4). Jesus não diz aos Apóstolos e a nós para formarmos um grupo exclusivo, um grupo de elite. Jesus diz: ide e fazei discípulos todos os povos (cfr Mt 28, 19). São Paulo afirma que no povo de Deus, na Igreja, “não há judeu nem grego… pois todos vós sois um em Cristo Jesus” (Gal 3, 28). Gostaria de dizer também a quem se sente distante de Deus e da Igreja, a quem está temeroso ou indiferente, a quem pensa não poder mais mudar: o Senhor chama também você a fazer parte do seu povo e o faz com grande respeito e amor! Ele nos convida a fazer parte deste povo, povo de Deus.

2. Como tornar-se membros deste povo? Não é através do nascimento físico, mas através de um novo nascimento. No Evangelho, Jesus diz a Nicodemos que é preciso nascer do alto, da água e do Espírito para entrar no Reino de Deus (cfr Jo 3, 3-5). É através do Batismo que nós somos introduzidos neste povo, através da fé em Cristo, dom de Deus que deve ser alimentado e crescer em toda a nossa vida. Perguntamo-nos: como faço crescer a fé que recebi no Batismo? Como faço crescer esta fé que eu recebi e que o povo de Deus possui?

3. Outra pergunta. Qual é a lei do Povo de Deus? É a lei do amor, amor a Deus e amor ao próximo segundo o mandamento novo que nos deixou o Senhor (cfr Jo 13, 34). Um amor, porém, que não é estéril sentimentalismo ou algo vago, mas que é o reconhecer Deus como único Senhor da vida e, ao mesmo tempo, acolher o outro como verdadeiro irmão, superando divisões, rivalidades, incompreensões, egoísmos; as duas coisas andam juntas. Quanto caminho temos ainda a percorrer para viver concretamente esta nova lei, aquela do Espírito Santo que age em nós, aquela da caridade, do amor! Quando nós olhamos para os jornais ou para a televisão tantas guerras entre cristãos, mas como pode acontecer isso? Dentro do povo de Deus, quantas guerras! Nos bairros, nos locais de trabalho, quantas guerras por inveja, ciúmes! Mesmo na própria família, quantas guerras internas! Nós precisamos pedir ao Senhor que nos faça entender bem esta lei do amor. Quanto é belo amar-nos uns aos outros como verdadeiros irmãos. Como é belo! Façamos uma coisa hoje. Talvez todos tenhamos simpatias e antipatias; talvez tantos de nós estamos um pouco irritados com alguém; então digamos ao Senhor: Senhor, eu estou irritado com esta pessoa ou com esta; eu rezo ao Senhor por ele e por ela. Rezar por aqueles com os quais estamos irritados é um belo passo nesta lei do amor. Vamos fazer isso? Façamos isso hoje!

4. Que missão tem este povo? Aquela de levar ao mundo a esperança e a salvação de Deus: ser sinal do amor de Deus que chama todos à amizade com Ele; ser fermento que faz fermentar a massa, sal que dá o sabor e que preserva da corrupção, ser uma luz que ilumina. Ao nosso redor, basta abrir um jornal – como disse – e vemos que a presença do mal existe, o Diabo age. Mas gostaria de dizer em voz alta: Deus é mais forte! Vocês acreditam nisso: que Deus é mais forte? Mas o digamos juntos, digamos juntos todos: Deus é mais forte! E sabem por que é mais forte? Porque Ele é o Senhor, o único Senhor. E gostaria de acrescentar que a realidade às vezes escura, marcada pelo mal, pode mudar, se nós primeiro levamos a luz do Evangelho sobretudo com a nossa vida. Se em um estádio, pensemos aqui em Roma no Olímpico, ou naquele de São Lourenço em Buenos Aires, em uma noite escura, uma pessoa acende uma luz, será apenas uma entrevista, mas se os outros setenta mil expectadores acendem cada um a própria luz, o estádio se ilumina.  Façamos que a nossa vida seja uma luz de Cristo; juntos levaremos a luz do Evangelho a toda a realidade.

5. Qual é a finalidade deste povo? A finalidade é o Reino de Deus, iniciado na terra pelo próprio Deus e que deve ser ampliado até a conclusão, até a segunda vinda de Cristo, vida nossa (cfr Lumen gentium, 9). A finalidade então é a comunhão plena com o Senhor, a familiaridade com o Senhor, entrar na sua própria vida divina, onde viveremos a alegria do seu amor sem medidas, uma alegria plena.

Queridos irmãos e irmãs, ser Igreja, ser Povo de Deus, segundo o grande desígnio do amor do Pai, quer dizer ser o fermento de Deus nesta nossa humanidade, quer dizer anunciar e levar a salvação de Deus neste nosso mundo, que muitas vezes está perdido, necessitado de ter respostas que encorajem, que dêem esperança, que dêem novo vigor no caminho. A Igreja seja lugar da misericórdia e da esperança de Deus, onde cada um possa sentir-se acolhido, amado, perdoado, encorajado a viver segundo a vida boa do Evangelho. E para fazer o outro sentir-se acolhido, amado, perdoado, encorajado, a Igreja deve estar com as portas abertas, para que todos possam entrar. E nós devemos sair destas portas e anunciar o Evangelho.

X